Sportbuzz
Busca
Facebook SportbuzzTwitter SportbuzzYoutube SportbuzzInstagram SportbuzzTelegram SportbuzzSpotify SportbuzzTiktok Sportbuzz
Mais Esportes / Olimpíadas

Raí participará do revezamento da tocha olímpica dos Jogos de Paris 2024

Ídolo do São Paulo e PSG carrega a chama olímpica e celebra trajetória na França

Gabriella Vivere Publicado em 12/06/2024, às 20h47

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
O ex-jogador do São Paulo carregará a tocha no dia 23 de julho - Foto: Reprodução/Instagram/Raí
O ex-jogador do São Paulo carregará a tocha no dia 23 de julho - Foto: Reprodução/Instagram/Raí

Raí, ídolo do São Paulo e do Paris Saint-Germain, anunciou nesta quarta-feira, 12 de junho, que participará do revezamento da tocha olímpica dos Jogos de Paris-2024. O ex-jogador carregará a chama no dia 23 de julho, três dias antes da abertura do evento, percorrendo um trecho de 200 metros em Versalhes, município próximo a Paris.

Cheguei ao país das Olimpíadas em 1993 como atleta profissional. Aqui vivi com minha família e filhas, fiz muitos amigos, fui capitão do Paris Saint-Germain, me inspirei para criar a Gol de Letra, me tornei cidadão francês, mestre em Política Pública. Hoje sou embaixador do Paris FC e tenho muito orgulho de ser considerado símbolo desta relação França/Brasil, Brasil/França”, escreveu Raí em suas redes sociais.

O ex-jogador também destacou seu engajamento na campanha pela escolha de Paris como cidade-sede dos Jogos Olímpicos: “Participei ativamente da campanha para trazer um dos maiores eventos do mundo para Paris. Recebo este convite para carregar a tocha como um reconhecimento desta linda história de amor, aprendizados, conquistas e realizações, ainda longe de acabar.

Recentemente, Raí, de 59 anos, concluiu um mestrado em Política Pública no Instituto SciencesPo, em Paris. Com o título acadêmico, ele revelou planos de iniciar um projeto na região Nordeste do Brasil. Engajado em causas sociais, Raí foi um dos fundadores da Fundação Gol de Letra, que apoia a educação de crianças e jovens de comunidades carentes.